logo

pub_carrossel_horz2.jpg

img

Filhos

Sopa nossa de cada dia

Por Inês

As batatas vieram da horta da empregada, as cenoras e as cebolas da prateleira de bios do super, os espinafres da eira da bisavó, o feijão verde da praça.

Tudo é bem descascado com o descascador ninja do IKEA - aquele com o cabo preto, todo high tech, de certeza sabem do que é que eu estou a falar e vai parar ao panelão ou à Bimby, consoante quem esteja a pilotar o fogão.

100 graus, 30 minutos, velocidade 1. Água, poucas batatas, duas cenouras, uma cebola, um dente de alho e um pouco de cada uma das verduras que andam pelo frigorífico a pedirem para ir parar à panela – pick me, pick me! É a receita da minha sopa. Meia hora a rodar, a cozer, a amolecer, a apurar, a crescer. Ao fim do tempo, acorro prontamente ao apito, não há nada mais perfurante que o apito irritantezinho da maquineta. Um fio longo e pesado de azeite, vinte segundos de trituração e tenho sopa para cinco ou seis porções.

É a sopa dos meus filhos, desde bebés. Da qual também passámos a comer. Inverteu-se a lógica, mas faz mais sentido. A deles era mais básica, mais variada, sem sal, mas muito sabor. Habituamo-nos muito rapidamente ao palato insosso, pelo contrário, tudo o mais nos parece de repente muito mais salgado, a saber ao mesmo sal! Nós pais passámos a comer como eles, não eles a comer como nós. Menos sal, menos molhos, mais verduras e sabores puros. 

Não há nada mais rotineiro do que a sopa antes da refeição. Não há nada que faça tão bem, que sacie tão prontamente, que forre tão bem o estômago para o prato que segue.

Maravilhosa dieta mediterrânica esta nossa que nos deixou um caldinho à beira da refeição plantado.

INSTAGRAM   |   BLOGLOVIN   |  FACEBOOK

Clique na Imagem para ver a Galeria

squareimg

Deixe o seu comentário

Publicações relacionadas

Instagram