logo

pub_carrossel_horz2.jpg

img

Filhos

Consultório de Parentalidade | As Tabelas de Comportamento

Por Magda Gomes Dias

Caso: Cá em casa já deixámos de gritar porque aderimos ao Desafio Berra-me Baixo e para isto correr bem a minha filha sugeriu que quem falasse alto tivesse um cartão vermelho, aliás ela ia fazer os cartões, acabou por não fazer... (não sei de onde lhe veio a ideia,nem se será positiva, talvez da escola).

 Beijinhos

 S.

 

 Olá S. 

A ideia de envolver toda a gente aí de casa é excelente. Primeiro porque o primeiro passo do desafio - que é tomar consciência que gritamos (depois falta o porquê) - está dado.
Depois, porque todos gostam de um desafio e querem sair vencedores.

Finalmente, porque a união faz a força.

A ideia dos cartões vermelhos é engraçada, sobretudo para a filha que pode apresentá-los e assim brincar um bocadinho 'aos grandes' e ter/sentir poder.

Agora o grande passo - e aí está já a trabalhar outro aspecto deste desafio - é criar vínculo e eu não acredito que se crie vínculo quando se mostram cartões vermelhos, que são punitivos [a questão de punir/castigar não é para aqui chamada - neste caso, refiro-me à carga simbólica da coisa]. 

A minha sugestão: já que a filha tem 5 anos, aproveitem para falarem do que gostaram e gostaram menos.

'Olha mãe, gostei quando vieste ao pé de mim e me pediste para vir jantar, mesmo quando já me tinhas chamado 2 vezes da cozinha. Já viste que não gritaste?'

'Filha, já viste que hoje de manhã conseguimos sair de casa sem stresses, sem correr. Estou mesmo feliz'.

'Mãe, da próxima vez, em vez de gritares da cozinha, anda ao pé de mim chamar-me. Sabes que por vezes estou distraída. E assim sempre podes ver os desenhos que estou a fazer.'

'Filha, fico tão chateada por te chamar 4 e 5 e 6 vezes para vires jantar. O que é que podemos fazer para isto não tornar a acontecer?'

Repare que em nenhum dos momentos há um juízo de valor em relação à outra pessoa. A mãe diz que fica chateada - mas não agride/acusa a filha. 

Por outro lado, é a falar que as pessoas se entendem. 

 

Cartões vermelhos não falam. São punitivos. Falar faz com que se reconheçam (tão importante), que se valide a evolução do desafio e que as famílias ganhem competências comunicacionais.

 

Já repararam que é muitas vezes nas famílias onde menos se fala?

 

Espero ter ajudado!

 

Neste Natal ofereça um voucher de Coaching e Aconselhamento Parental. Mais infos em

info@parentalidadepositiva.com

 

Untitled.png 

Magda Dias é coach e formadora nas áreas comportamentais e comunicacionais há mais de 12 anos. Porque sabe que os comportamentos se escolhem e que ‘comportamento gera comportamento’, aborda as questões parentais e da educação positiva através dessa lente. Com certificação Internacional em Inteligência Emocional, em Educação Positiva e em Coaching, esta mãe de duas crianças é a autora do blogue Mum’s the boss e do site ParentalidadePositiva.com

Educar da cabeça para o coração ®, e portanto para a felicidade, é o mote.
Conheça o seu trabalho mais emblemático num dos blogues mais lidos em Portugal: mumstheboss.blogspot.com

Site: Parentalidade Positiva.

 

Clique na Imagem para ver a Galeria

squareimg
squareimg

Deixe o seu comentário

Publicações relacionadas

Instagram